Páginas

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Não basta ser médio, tem que ser superior

            Está escrito e assegurado em nossa constituição que todo cidadão brasileiro tem direito a uma educação de qualidade, porém a teoria é mais prática do que a própria prática e, ao que parece, não se sabe mais qual é o significado de “qualidade”. É fato que o ensino brasileiro não é pleno e dentre as várias causas, duas serão abordadas: o baixo salário dos professores e a falta de investimento dos governos.
            Merecidamente, todo trabalhador deve receber uma remuneração digna referente ao seu mês de trabalho. O baixo salário que é pago aos professores gera uma acomodação da parte destes, assim, eles não se preocupam em dar boas aulas dinâmicas e interativas a fim de atrair e interessar os alunos para aprenderem. Ou seja, acaba acontecendo um “efeito dominó”: os professores recebem um salário inferior ao merecido, fato este que gera indignação (com razão) e acomodação dos próprios professores que passam a não dar aulas de forma satisfatória, isto faz com que os alunos também se acomodem e se desinteressem pelo aprendizado. Professores desestimulados, alunos desinteressados.
            Assim como o baixo salário, a falta de investimento dos governos das cidades nas escolas públicas de ensino médio tem sido outro elemento determinante na decadência do ensino brasileiro. É evidente a diferença entre os setores de ensino médio e superior. Enquanto as universidades públicas são as melhores e mais prestigiadas, as escolas públicas de ensino médio caem aos pedaços. Não há como educar um ser humano de forma humana colocando-o para estudar no chão e com fome, ao mesmo tempo em que as paredes estão prestes a cair ao seu redor. Isto tudo porque não há cadeiras, tampouco merenda, já que o governo não investiu em infraestrutura. Estará o dinheiro da educação na cueca de alguém?
            Dessa maneira, todos devem expressar as suas opiniões na forma de um voto consciente nas eleições. Estudando as propostas e o passado político e até mesmo pessoal dos candidatos, podemos saber a quem estamos entregando o comando do nosso país. Ter cidadãos educados qualificadamente é fundamental na organização de uma sociedade.

9 comentários:

Digow disse...

O ensino público no Brasil já foi bem melhor em décadas passadas. Hoje em dia, as escolas públicas em grande parte do país são conhecidas pelo baixo nível de educação, e poucos são os políticos preocupados com essa situação, enquanto a outra parte se preocupa em ter "cuecas e maletas maiores"... Quero ver quando irá surgir um governante capaz de mudar ess quadro, caso contrário, continuaremos vivendo na utopia e na decadênica do ensino brasileiro. Belo texto marininha, bjão! ♥

Lucas Felix disse...

Ótimo texto !

PaulinhoIron disse...

As universidades públicas são tão superiores as escolas do ensino médio por um único e claro motivo: Apenas aqueles que tiveram um bom ensino médio conseguem passar num vestibular federal. De onde vem esse bom ensino? De escolas particulares. É fato que praticamente a maioria dos estudantes das federais eram de escolas privadas, logo, sempre colocarão a disposição deles, professores capacitados, com bons salários.
Vou parar por aqui, se não vou escrever demais :P
Boa crítica, gosto de textos que tenham personalidade, e esse tem! Não só o texto, como você também! São poucos os que expõem suas opiniões assim! Parabéns!

Bjos!

Máátheus Queiroz disse...

As pessoas não percebem que para o progresso precisamos de educação.
Sem mais.
Muito bom o blog.
Parabéns.

Nosso Blog virou canal, se der, pode dar uma olhada?
www.youtube.com/assuntojovem
Sucesso. o/

Katherine disse...

Acho que o problema começa desde o ensino fundamental. Concordo com tudo o que o PaulinhoIron disse.

Muito bom o blog. Gosto muito de ler críticas e você desenvolveu bem a sua.
Parabéns.

Dyego Luz disse...

Bom, algumas observações sobre os comentários de vocês...

Digow blz? tudo bom? Rapaz você tocou em um ponto muito interessante de ser discutido. O Brasil realmente ja teve um ensino público bem melhor. Porém a principal causa disso é a evolução do mundo, das pessoas, da sociedade como um todo. Não tanto de uma decadencia direta do ensino.

A grande questão é que o maior problema da educação talvez não seja "qualidade". E sim o que se considera ser interessante de ser ensinado.

Existe uma evolução sobre como as coisas devem funcionar em diferentes areas do nosso mundo, mas a educação continua a nos preparar para o "mundo antigo", diria até ultrapassado.

Portanto, o maior erro ta em focar no "ensino" da geografia, da historia, matematica, portugues... Não que isso não deveria ser ensinado, deveria mas com outra abordagem.

O foco deve ser em ensinar a aprender e a empreender (que não é montar empresas). E isso pode ser feito usando as disciplinas atuais.

Por exemplo, é muito mais produtivo para alguém inserido nessa nova sociedade, nesse novo mundo, aprender a empreender estudando a vida dos grandes responsáveis pelos grandes acontecimentos ao invés de estudar os acontecimentos em si, na disciplina de historia.

O que quero dizer é que o melhor é estudar os responsáveis e assim ver o acontecimento e não estudar o acontecimento e assim ver os responsáveis. Obvio que estou focando em um exemplo, com a disciplina de historia em especifico.

Em fim, não da pra prolongar muito aqui. A questão é que existe uma necessidade de mudar a estratégia de ensino tradicional para uma de ensino transversal. Assuntos como entendimento financeiro real, empreendedorismo e aprender a aprender devem ser o foco do aprendizado "moderno", desse novo mundo.

Os alunos devem aprender a aprender e não aprender assuntos específicos. Até pq assim ficamos limitados a especificidades.

Em fim... já falei demais..

Pra concluir, sobre o comentário da Katherine, acredito na verdade, que o problema do ensino começa de cima pra baixo. Principalmente pelo fato de que instituições de ensino médio, por exemplo, preparam para o ensino superior (vestibular), as de fundamental para o médio e assim vai.

Só aumentando o nível de cima puxaremos o nível de baixo.

Tudo isso daria uma bela discussão. Mas como a comunicação no nosso caso é bem limitada, vou parar por aqui.

Marina parabéns pelo texto, apesar de eu discordar da questão do salário como motivo da acomodação.

Bjão e continue com seus belos posts.

Até o próximo!

Victor Hugo de Sousa disse...

Precisamos de mais pessoas com essa iniciativa sua...muito legal o texto, o blog, virei fã :D

Carolina B.! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carolina B.! disse...

Gostaria de acreditar que aumento de salário é estímulo suficiente.
Professores não são apenas profissionais necessitando de maior reconhecimento, são pessoas normais, cheias de limitações, preguiça mental, inércia e etc.
Acho que o problema é bem mais embaixo. O sistema todo é complexamente desequilibrado. Conheço professores que só vão fazer cursos públicos capacitadores para fugir das aulas, e o que era pra ser algo para estruturar melhor o ensino, acaba sendo escape pra professor preguiçoso.
Fico pensando, que grande parte dos adultos são crianças maiores só que transviadas. Invés de chocolates, desejam status e a inconsequencia se reflete em impactos muito maiores. Então, imagino que, assim como os alunos nas escolas ficam assistindo aula por obrigação, enquanto pensam em mil coisas que não no ensino. Os professores ficam assistindo igualzinho, qualquer 'coisa' profissionalizante...

Acho que nada disso vai mudar, mas sei lá, vamos manter a pose de colunistas críticos de jornal, falar, falar, mesmo sabendo que tudo fica como está.
Quem sabe a boa esperança ( e atitudes), relamente faça as coisas acontecerem. :)

Postar um comentário