Páginas

domingo, 19 de setembro de 2010

Qualquer coisa

            Da minha boca não saem sons audíveis aos seus ouvidos, e mesmo que pudesse ouvir que diferença faria? Nós estamos fazendo de conta que brincamos ou estamos brincando de faz de conta? Eu não estou reclamando, apenas estou vendo tudo de outra perspectiva, as coisas não aconteceram como eu planejei, e agora?
            Temos mais uma carta na manga e esta carta virou o jogo completamente, sim, eles disseram que quem brinca com fogo pode se queimar, nós assumimos o risco. Sejamos sinceros, nós dois gostamos desse fogo, mas nenhum de nós quer sair queimado. Eu não quero assumir, só que acho que não estou mais no comando, estou sendo dominada, não é o que eu quero. O problema está nessa carta que está na sua manga, o que eu posso fazer é deixá-la favorável ao meu jogo.
            Tudo bem, vamos parar de discutir sobre o que devíamos fazer ao invés de falar, somos ótimos em toda essa porcaria de teoria, quero ver o quão bom és na prática. Tudo isso é apenas vaidade.


There's another world inside of me that you may never see    ♪

7 comentários:

PaulinhoIron disse...

Já diz o ditado popular: Falar é fácil, difícil é fazer.
É sempre bom termos uma carta na manga. Bom também é saber como jogar quando estamos numa situação desfavorável a nós.
Olha, realmente fico MUITO feliz quando entro no meu blog e vejo que você comentou em algum texto meu, e saiba que também admiro demais tudo o que você escreve! A maneira como você utiliza as palavras e desenvolve toda a sua idéia sem, em nenhum momento, perder a essência e o sentimento que quer passar. Admiro demais quem faz isso, e sim, você consegue fazer isso!
Bjos e continue escrevendo!

Marina T. disse...

Bem, não costumo responder logo os comentários, mas o seu merece resposta imediata, Paulinho! :D
Pois é, é tão impressionante o quão fácil é falar e mais impressionante ainda é como tudo trava na hora de fazer, na hora de agir, e aí, o que fazer?
Como você mesmo disse, bom mesmo é saber como jogar, mas e quando não se sabe mais que cartas usar, o que fazer? A carta na manga sempre será uma boa saída .. rsrsrs!
E eu me sinto muito lisonjeada em saber disso, muito obrigada mesmo e eu já disse isso, mas admiro o que e como você escreve, pode ter certeza que esse estímulo que você acaba de me dar, fará com que eu queira escrever mais! :D
Beijo ;*

Tkaniam disse...

Oi, Marina, tudo bem? Desculpe não ter mais aparecido tanto aqui, mas é que ando tão corrido que meu tempo para ler blogs e me divertir está quase escasso. Bom, acho que posso comentar sobre sua postagem...

Sua escrita continua como eu já disse uma vez: Navegando em emoções e no surreal mais do que em fatos concretos. O que é divertidíssimo e me ajuda muito no meu aprendizado. Me mostra que minhas narrativas precisam do tom da irrealidade, precisam viajar mais em sentimentos. Sempre, agora, penso duas vezes antes de descrever o que um personagem meu sente, e acho que posso sim dizer, que visito seu blog sempre que posso, para absorver mais dessa forma de escrita tão genuína.

Kariny Sheila disse...

gostei gostei *-* parabéns vc escreve muito bem...
segue meu blog karinysheila.blogspot.com

EDSON CISO disse...

A maior armadilha da vida são as palavras que dizemos. Palavras não são só palavras, palavras são armas. As vezes disparamos no espelho e os estilhaços nos atingem. O problema não está em muita teoria e pouca prática, o problema está na teoria que praticas.
Abraço!

Danny disse...

menina,você escreve muito bem...
Tá de parabéns *-*...
Te sigo, me segue?


http://epomed.blogspot.com/

Marina T. disse...

Oi, Tadashi, tudo bem sim e com você? :D
Estás perdoado, porque eu entendo bem como é isso, rs! Fico muito feliz em saber que eu posso influenciar alguém, de certa forma .. muito obrigada! =D
Obrigada, Kariny e Danny!
Caramba, Edson, pra mim você disse tudo: "O problema não está em muita teoria e pouca prática, o problema está na teoria que praticas."
É exatamente isso, acho que você pegou toda a essência da minha escrita!
Beijo ;*

Postar um comentário