Páginas

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Quando está escuro

            Deitada sobre o chão, escrevendo sob a chama de uma vela. Na verdade, duas. Uma exatamente ao lado da outra, sendo uma delas menor do que a outra. A vela menor derreteu a maior parte da parafina da maior deixando o seu pavio completamente à mostra. O pavio queimou rapidamente e as duas velas logo estavam do mesmo tamanho. Havia uma baratinha na lateral da vela que inicialmente era menor – sim, inicialmente, pois neste momento a vela que antes era maior estava bem menor que a outra, praticamente na última chama. Fato é que as coisas nem sempre acontecem da forma como prevemos ou da forma mais lógica: a vela que no início era a maior foi a primeira a apagar.

            Ah, quase esqueci a baratinha, tão minúscula, um pouco maior do que uma formiguinha. A menina se perguntava se aquela temperatura alta (para o pequeno inseto, afinal ele estava próximo à chama) não incomodava a pequena barata, então percebeu que a questão era outra: o inseto estava em busca de uma fonte luminosa, como ela que também buscava luz. O aumento da temperatura não era importante, já que buscava algo mais precioso.
            Um pouco mais de 23h30min, assistia TV e simplesmente tudo apagou, havia faltado energia elétrica, uma espécie de apagão geral, não só o seu, mas muitos bairros ficaram em completa escuridão. Seria uma situação completamente irritante se por um acaso ela não tivesse que abrir a porta, porque ao fazê-lo pode olhar de relance para o céu, uma palavra: fascinante. Todas as estrelas maravilhosas que ela ama e que sempre ficam escondidas por causa das luzes de meros postes que iluminam toda cidade estavam agora mostrando quem é que manda no céu. Brincavam deliciosamente de fascinar a menina que as amava indubitavelmente. Achou o que buscava: luz. Após isso, começa o que é descrito no início do texto.
            É perceptível que a garota gosta de luz e o fogo por si só prende a sua atenção. Ela olha para as velas, por que o fogo existe? O fogo é interessante para ela e não há um por quê. Ou talvez, porque ele realmente seja fascinante. As formas da chama, a forma como o fogo crepita, as cores que ele pode ter... E os pavios acabam. Após todo o texto, uma única conclusão: a escuridão serve para nos mostrar o quão maravilhosa é a luz. Qualquer ponto luminoso faz toda a escuridão desaparecer.
            Ela é uma menina que tem sonhos. Ela guarda segredos em sua mente que nem os mais sábios podem descobrir. Seu coração é de rei, pois os corações dos reis são insondáveis. Ponto final. Acaba o texto. Queima a ponta da folha de papel com a chama da vela. Assiste a todas as suas palavras virarem cinzas. Contempla a luz uma vez mais. Um assopro e tudo é escuro novamente.


P.S.: Eu realmente imaginei que o apagão tinha acontecido apenas em alguns bairros daqui, mas, na verdade, 8 estados do Nordeste ficaram em completa escuridão! :O

4 comentários:

Andre Mansim disse...

O apagão vem provar o quanto somos despreparados para o diferente e os problemas... Muita gente teve muito prejuizo com o apagão, e não se pode fazer nada!

QUnato ao texto, eu estou virando se fã, porque mais uma vez do nada vc cria algo tão ineteressante e legal de se ler!

PaulinhoIron disse...

A partir de um assunto extremamente difícil, você consegue fazer um texto tão belo quanto esse. Genialidade é pra poucos, e você faz parte dessa minoria que é genial!
De fato, toda e qualquer escuridão é motivo de reflexão que nos dá como resultado, isso que você descreveu: A necessidade de ter uma luz. Muito interessante o texto!
Quanto ao apagão...putz, eu passei por um apagão em 2009, quando a região sul e sudeste e parte do Paraguai ficaram sem luz por sei lá quantas horas, e eu achei um tédio sem fim. Já você, conseguiu fazer dele, um texto excelente como esse, e por isso volto a dizer, que genialidade. Parabéns Marina :)

Beijos!

Everson disse...

Ao seu estilo: e ele ler o texto e outros do seu blog e fica surpreso com tamanha capacidade que ela tem de manipular palavras e expor situações habituais, e assim, de forma quase involuntária e meio que sem querer consegue nos vidrar e imaginar tudo que se passa. Escritos cheio de sentimentos profundos e de realismo, surrealismo..uma beleza sem igual..Algo imensamente digno,e ele se encanta mais...

Thais Nadiane disse...

Oi , ameeeeeei seu blogger. Estou te seguindo, me segue também ? não custa nada né ? hihi !
http://thais-nadiane.blogspot.com/

Postar um comentário