Páginas

sexta-feira, 30 de março de 2012

Ensaios - 2


27 de fevereiro de 2012

         Estou cheia de medo. E comodismo. É como se fosse o que tem me preenchido. Parece que não vou sair do lugar nunca e não importa o que eu tente, vou continuar aqui. Eu tenho medo. Medo de que as coisas continuem dando errado. E eu tentando e tentando e as coisas do mesmo jeito. O que eu posso te dizer, amor? Eu tenho que sair dessa, eu sei. É a única maneira, mas às vezes eu me pego perdida sem saber como.

2 comentários:

Paulinho disse...

Você tem me vigiado, só pode rs
Tais palavras dizem tudo do que tenho tido há algum tempo. Ao mesmo tempo que há o medo, há o comodismo. Há a vontade de sair desse estado, mas parece que as coisas não conspiram muito ao nosso favor.
Nós nunca sabemos como sair de uma situação, e acredito que o certo é nos aproveitarmos das boas oportunidades que nos ocorrem para sairmos das situações ruins.
Meu professor de matemática financeira esses dias conversava comigo, um cara bem bacana, e ele disse: "Cara, eu trabalho no Banco Central. Não vou me vangloriar, mas você me perguntou, então te respondo que meu salário é alto, gira em torno dos $12.000. Eu amo meu salário!...mas odeio o meu serviço. Eu gosto mesmo é de dar aula, de lecionar, de ver os alunos se ferrando. Mas eu tive que aproveitar a oportunidade que apareceu de ter um puta dum salário e nunca ser mandado embora".
Sei lá, são situações diferentes, mas cuja resolução parte do mesmo princípio, acredito eu.

Beijos, Marina!

Anônimo disse...

Às vezes o acaso faz bem. Sempre existirá uma saída, talvez você só precise segurar a mão de quem está estendendo-a. 16/05, talvez exista alguma pessoa nesse exato momento tentando dar o melhor para fazer a diferença que ela pode fazer.

Postar um comentário