Páginas

segunda-feira, 19 de março de 2012

Mente cheia, oficina da vontade


                Piruetas. Mais piruetas. Rodo e rodo e nada de o sono chegar. Amanhecer. Banheiro. Água. Espelho. Reflexo. Olhos. Olheiras. Grandes. Tudo o que eu vejo em minha face é consequência de muitas noites sem pregar os olhos. Eu deveria estar exausta, no entanto estou completamente ligada. E eu só posso ver por causa da luz. Luz é o que nos faz enxergar. Tudo é apenas refletido.
                O ver em partes é passado, hoje posso ver face a face cada escolha que me trouxe aqui. Um tornado na minha mente, sinto-me completamente eletrizada. Preciso fazer algo. Daqui a pouco vou ouvir minha mãe reclamar por mais essa noite que eu não dormi nada, ela não vai entender, eu dormiria se pudesse, mas a minha mente não deixa. Vontade própria. Grita e grita silenciosamente ao mundo, porém me ensurdece, desnorteia. Eu apenas sei que preciso fazer algo. Eu apenas preciso enxergar o mundo inteiro, então, o que eu preciso é luz. É uma vontade insana de conhecimento que não te deixa dormir, você não compreende, só que você quer mais e mais. Há necessidade. Sede. Sede é a palavra correta. Engulo a água de um copo enorme, eu que não gosto de tomar água. Com vontade. Vontade de saciedade. Nada. Vamos escrever, então. Qualquer coisa. Palavras e palavras e excesso. Ainda vontade. Do mundo inteiro. De engolir sem mastigar cada recôndito obscuro do universo. Curiosidade. Há simplesmente fascínio lá fora. Conhecimento demais para ser jogado fora. Seria Eva, se possível.
                Pois bem, a curiosidade é mais forte por que o conhecimento é delicioso. Quem pode julgar o diabo por ser esperto? Você sabe por que enxergamos? Luz. A luz nos faz ver. Conhecimento é luz. Conhecimento nos faz ver. Minha mente deseja conhecer. Desejo insano que não me permite dormir. Pensar demais, o tempo todo. Tempo. Supõe-se que tudo isso seja causado pela quantidade de tempo “livre” que eu possuo. Não é conhecer tudo sobre algo, mas conhecer algo sobre tudo. Silêncio. Não ouço mais os hemisférios gritando. Encho-me de sanidade enquanto jorro um embaralhado insano de palavras em um blog. Só para vocês. Segredo nosso. Acredito que teremos um belo dia hoje.

Um comentário:

Paulinho disse...

"Tudo o que eu vejo em minha face é consequência de muitas noites sem pregar os olhos". Obrigado por descrever nessa frase, o que venho tentando dizer há alguns meses rs
Sim, o conhecimento é a luz que nos faz enxergar, e todos nós sabemos que a escuridão não existe de fato. Ela nada mais é que a ausência da luz. Mas será que a tal da ignorância é a ausência de conhecimento? Acho que não. Acho que a ignorância é real mesmo. O que não é o seu caso, obviamente, e não precisa ter muito conhecimento para saber que o seu conhecimento é vasto.
E, outra vez, você disse o que venho tentando dizer: "...hoje posso ver face a face cada escolha que me trouxe aqui". E talvez seja isso que tem me tirado o sono por tantas e tantas noites.
Mente cheia, oficina da vontade e, consequentemente, palavras incríveis de uma pessoa com conhecimento de sobra!

Postar um comentário